EXCELENTE NOTÍCIA / AUMENTO NO VALOR DA PENSÃO POR M0RTE (80%) E APOSENT...

Portaria 552: INSS normatiza prorrogação automática do auxílio-doença | Portaria também contempla benefícios concedidos judicialmente

Queridos leitores e leitoras, se você não veio pelo vídeo, assista-o aqui!

 Leia também: Conheça o Método prático para construção de carteira de ações tributárias

Agora se você já assistiu ao vídeo no youtube sobre o tema, abaixo, você encontrará informações valiosas sobre a prorrogação do auxílio-doença bem como sobre a Ação Civil Pública nº 2005.33.00.020219-8, da 14ª Vara Federal de Salvador/BA, que culminou na expedição da Resolução nº 97/INSS/PRES, de 19 de julho de 2010, que dentre outras coisas trata da tese sobre cessação de auxílio-doença concedido judicialmente.  

Leia também: Conheça o Método prático para construção de carteira de ações tributárias

O INSS publicou em seu site informação de que: “Em atendimento à Ação Civil Pública nº 2005.33.00.020219-8, os pedidos de prorrogação de auxílio-doença serão feitos automaticamente pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), enquanto durar o fechamento das agências, em função da Emergência de Saúde Pública de nível internacional decorrente do coronavírus (COVID-19).

 

A acima mencionada, trata-se da Ação Civil Pública – ACP n.º 2005.33.00.020219-8, oriunda da 14.ª Vara da Justiça Federal de Salvador/BA, a que levou o INSS a editar inclusive outras resoluções, tal como a Resolução INSS/PRES n.º 97, de 19.7.2010 – DOU 20.7.2010, no seguinte teor: “Art. 1.º Estabelecer que no procedimento de concessão do benefício de auxílio-doença, inclusive aqueles decorrentes de acidente do trabalho, uma vez apresentado pelo segurado pedido de prorrogação, mantenha o pagamento do benefício até o julgamento do pedido após a realização de novo exame médico pericial”.

 <<Reforma Trabalhista - Curso Completo>>

Agora temos mais uma edição da Portaria 552, a qual foi publicada no Diário Oficial da União em: 29/04/2020.

 

De acordo com a Portaria 552, “os pedidos de prorrogação serão efetivados de forma automática a partir da solicitação, por 30 dias, ou até que a perícia médica presencial retorne, limitado a 6 (seis) pedidos”.

 

A notícia disponível no site da autarquia previdenciária, esclarece ainda que: “Para resguardar o direito do segurado, o INSS também prorrogará automaticamente aqueles auxílios que foram concedidos por decisão judicial, ou, em que a última ação tenha sido de estabelecimento, ou ainda, via recurso médico.

 

O art. 2º da Portaria em comento estabelece que “Ficam convalidados os atos praticados desde 12 de março de 2020, que estejam de acordo com esta Portaria”.

 <<Oficina de Peças Trabalhistas>>

Em outras palavras a “Portaria normatiza, ainda, todo procedimento deste tipo feito em benefícios a partir do dia 12 de março deste ano, para pedidos de prorrogação já agendados e que, em consequência da pandemia, não houve possibilidade de realização da perícia médica presencial”.

 

Leia no DOU a íntegra da Portaria nº 552 aqui!

 ConheçaAdvocacia tributária consultiva - Saiba como assessorar estrategicamente seu cliente corporativo durante e após a pandemia

É importante relembrarmos que as Medidas Provisórias nº 739/2016 e n.º 767/2017, posteriormente convertidas na Lei nº 13.457/17, introduziram novas regras sobre o estabelecimento da data de cessação do benefício (DCB), permitindo ao segurado, caso não se sinta apto a retornar ao trabalho, requerer a prorrogação do auxílio-doença, sendo-lhe assegurado o recebimento do benefício até a realização de nova perícia judicial.


Na linha do tema aqui discutido, juiz federal Fernando Moreira Gonçalves, em atuação na TNU, aos analisar um caso (Processo nº 0500774-49.2016.4.05.8305/PE) sobre cessação de auxílio-doença concedido judicialmente, firma uma tese sobre os benefícios por incapacidade temporária (auxílio-doença), previsto a propósito, na redação original da Lei nº 8.213/91, diz o julgador “eram concedidos sem qualquer data estimada para a recuperação do segurado, ficando ao encargo do INSS convocá-los para a perícia revisional”.

 <<Curso de Atualização em Processo Civil>>

Mais adiante continua “As alterações legislativas são fruto da evolução do tema, trazidas pela experiência administrativa e judicial, que caminhou para a desnecessidade de realização da chamada ‘perícia de saída’. (...) A imposição da chamada ‘perícia de saída’ para o auxílio-doença sobrecarrega, por um lado, a autarquia previdenciária com a realização de quantidade elevada de perícias e impõe, por outro lado, a necessidade de realização e espera pela data da perícia à maioria de segurados que não tem interesse na prorrogação do benefício”, frisou o magistrado.

 

Também segundo Gonçalves, é preciso ressaltar que a polêmica instaurada a partir da criação da cobertura previdenciária estimada se deve à equivocada previsão de interrupção do pagamento do benefício no período entre a data calculada para a cessação do benefício e a realização de nova perícia pelo INSS. “Tal questão, no entanto, foi solucionada, com importante contribuição do Poder Judiciário, por meio da sentença proferida na Ação Civil Pública nº 2005.33.00.020219-8, da 14ª Vara Federal de Salvador/BA, que culminou na expedição da Resolução nº 97/INSS/PRES, de 19 de julho de 2010. Desde então, ressalte-se, realizado o pedido de prorrogação, o segurado permanece em gozo do benefício de auxílio-doença até a realização da perícia médica.

 

Seguindo o raciocínio, o relator votou pela legalidade da fixação de data estimada para a cessação do auxílio-doença, ou, caso seja aplicável, da convocação do segurado para nova avaliação das condições que levaram à concessão do benefício na via judicial, conforme defendido pelo INSS. 

O voto foi seguido à unanimidade pelos demais membros da Turma. O processo foi julgado como representativo da controvérsia, para que o entendimento seja aplicado a outros casos com a mesma questão de Direito.

 <<Peças Recursais Cíveis>>

 

Fontes: Secretaria de Previdência MINISTÉRIO DA ECONOMIA e Conselho da Justiça Federal 

...


Comentários

  1. Boa noite Dr gostaria que o senhor fizeste um vídeo sobre o auxílio do governo para quem teve a jornada de trabalho reduzida e o salário em 40% como o meu e da minha nora sabemos da ajuda mas não sabemos como contratar do mas muito obrigada Deus abençoe

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Dr tenho uma dúvida sobre a portaria 552 prorrogação do auxílio doença. Quando beneficiário do auxílio doença está em trâmites de reabilitação que não aconteceu devido a pandemia. O beneficiário do auxílio doença é quem deve solicitar a prorrogação do benefício ou segundo a portaria 552 isto é feito automaticamente pelo sistema do INSS? Por favor me responda pois não conseguir até agora resposta a está pergunta. Gostaria de saber sé é necessário também enviar atestado médico pois estou no grupo de risco com cardiopatia (estenose mitral) e sou epiléptico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os cidadãos que já recebem auxílio-doença concedido por perícia médica presencial e desejam prorrogar o benefício devem fazer novo pedido pelo Meu INSS ou telefone 135.


      Cabe lembrar que os pedidos de prorrogação são efetivados de forma automática (no caso da antecipação) a partir da solicitação, por 30 dias, ou até que a perícia médica presencial retorne, limitado a seis pedidos.


      A realização de perícias médicas de forma presencial está suspensa até o dia 19 de junho, devido à pandemia do coronavírus.

      Excluir
  3. Estou com uma péricia agêndada . que séria para ser relizada no dia 07 de maio de 2020 mais por motivo das agências atarem feixadas a periciria não foi realizada, o inss vai marcar outra pericia ?
    Nit : 122.79801.215 NB. 631.949.676.6 NR . 202049413

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os cidadãos que já recebem auxílio-doença concedido por perícia médica presencial e desejam prorrogar o benefício devem fazer novo pedido pelo Meu INSS ou telefone 135.


      Cabe lembrar que os pedidos de prorrogação são efetivados de forma automática (no caso da antecipação) a partir da solicitação, por 30 dias, ou até que a perícia médica presencial retorne, limitado a seis pedidos.


      A realização de perícias médicas de forma presencial está suspensa até o dia 19 de junho, devido à pandemia do coronavírus.

      Excluir
  4. Eu marquei minha perícia para prorrogação do auxílio doença, ..., Porém, o INSS marcou para dia 03 de fevereiro. Hoje e dia 20 de novembro. Ocorre que no texto que o INSS efetuou a marcação da nova perícia, escreveu que não vai se responsabilizar pelos pagamentos do benefício até a data marcada. Não é o que eu entendi do que o Dr. Publicou. Eu não vou ter direito de receber até fevereiro do ano que vem?

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde, faço tratamento de hanseníase desde inicio de agosto desse ano,dei entrada no inss me deram dois messes de benefício e depois prorrogação até três de janeiro, e qdo fui prorrogar o inss convocou pra uma perícia conclusiva no mês de abril. Até lá fico sem receber o benefício?o meu tratamento são doze messes

    ResponderExcluir

Postar um comentário