BUSCA E APREENSÃO: Já pagou mais de 90% do seu financiamento? Entenda o que é adimplemento substancial

Você financia um bem, paga quase que a totalidade e por algum motivo deixa de pagar pouquíssimas parcelas. Será que é justo a financeira entrar com uma ação de busca e apreensão contra você?

Infelizmente têm surgido inúmeras decisões no sentido de que, mesmo você (devedor) restando apenas algumas parcelas do seu financiamento pode sim sofrer busca e apreensão do seu bem.

Abaixo eu cito especificamente dois julgamentos em que tiveram este entendimento, mesmo o cliente que já havia pago mais de 91% da sua dívida (financiamento), foi entendido de que o adimplemento substancial (como é chamada esta teoria), não extingue o acordo em caso de atraso insignificante.

Um dos exemplos, é o julgado do Recurso Especial 1.581.505-SC, em que decidiu-se que a teoria não pode inverter a ordem lógico-jurídica do contrato, que prevê o integral e regular cumprimento de seus termos como meio esperado de cumprimento das obrigações.

Só para lembrarmos que até então prevalecia à aplicação da doutrina do adimplemento substancial em caso de inadimplemento incontroverso de mais de 30% do valor do contrato.

Contudo, com o novo entendimento, tem ensejado com que julgadores, em primeiro e segundo grau, em atenção à necessária observância de precedentes, curvem-se à jurisprudência formada pela 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ - 22/2/2017), mesmo havendo entendimento diverso.

Segundo o entendimento majoritário do STJ, não é aplicável a teoria do adimplemento substancial em contratos de alienação fiduciária. Além do passeio histórico do ministro Antonio Carlos Ferreira, do Superior Tribunal de Justiça, em voto no julgado acima sobre o caso, este entendimento também restou evidente no julgamento do Recurso Especial 1.622.555 - MG.

No último caso, ficou fixado para a maioria dos ministros, mesmo que 91% da dívida tenha sido paga, a alienação fiduciária é um microssistema que autoriza o credor a ajuizar uma ação de busca e apreensão para recuperação do bem financiado.

De acordo com o julgado: "O Decreto-Lei não tece qualquer restrição à busca e apreensão para sanar a integralidade da dívida. Portanto, é insuficiente que se pague apenas substancialmente o débito".

E continuou o Marco Aurélio Bellizze:

"Por mais que pareça brusco, é exatamente esta possibilidade que o sistema jurídico dá para que o credor rapidamente possa reaver o bem e quitar a dívida".

Para o ministro Bellizze, uma decisão contrária a essa vai contra o consumidor já que prejudicaria todo o sistema de financiamento que pressupõe esta garantia quando se trata de alienação fiduciária.

Os fundamentos para ajuizar ação de busca e apreensão encontram-se nos arts. 66 da Lei nº 4.728/65 e 3º do Decreto-lei nº911/69, que basicamente obter a posse do bem que lhe foi dado em garantia da alienação fiduciária.

Resta, portanto, combater este precedente no sentido de buscarmos novos entendimentos, escorados na mutabilidade da ciência jurídica.

Comentários

RECEBA NOSSAS PUBLICAÇÕES

DIGITE SEU E-MAIL