ASSUNTOS RELACIONADOS

Trabalhadores podem ter a Aposentadoria Especial cancelada com decisão do STF

Aposentados que atuam em área prejudicial à saúde podem perder benefício especial.

 

VEJA TAMBÉM:

👉🏻Revisão da Vida Toda PBC

👉🏻Projeto INSS 2022 - Curso Completo de Direito Previdenciário 

👉🏻KIT PRÁTICO DA ADVOCACIA PREVIDENCIÁRIA

👉🏻TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER DE DIREITO 

👉🏻PREVIDENCIÁRIO PARA PASSAR NO CONCURSO DO INSS!​

👉🏻A revolução da Previdência Privada

👉🏻PLANEJAMENTO PREVIDENCIÁRIO EFICIENTE

Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o trabalhador que recebe aposentadoria especial não tem direito à continuidade do recebimento do benefício quando continua ou volta a trabalhar em atividade nociva à saúde, mesmo que exerça atividade diferente daquela que ensejou a aposentadoria anterior.

 

A Aposentadoria Especial é concedida com menos tempo de contribuição ao INSS ou a regimes próprios de Previdência a profissionais que atuaram em área prejudicial à saúde. Contudo, com a decisão do STF, caso esses profissionais voltem ao mercado de trabalho na mesma área, devem ser afetados.

 

Isto porque, prevaleceu o entendimento do relator, ministro Dias Toffoli, em manter a constitucionalidade do parágrafo 8º do artigo 57 da Lei de Benefícios da Previdência Social (Lei 8.213/1991). Esse artigo proíbe o recebimento da Aposentadoria Especial para quem permanece ou volta à atividade de risco após a aposentadoria, e o artigo 46 da lei prevê o cancelamento da aposentadoria a partir do retorno à atividade sujeita a agentes nocivos.

 

Lógica inversa

Na avaliação do ministro Dias Toffoli, a continuidade no trabalho em atividade nociva à saúde após o deferimento do benefício inverte a lógica do sistema. “A aposentadoria especial ostenta um nítido caráter protetivo”, afirmou. “Trata-se de um benefício previdenciário concedido com vistas a preservar a saúde, o bem-estar e a integridade do trabalhador submetido rotineiramente a condições de trabalho insalubres, perigosas ou penosas.

 

Para Toffoli, permitir que o trabalhador continue ou retorne ao trabalho especial após a obtenção da aposentadoria “contraria em tudo” o propósito do benefício. “Trabalha-se com uma presunção absoluta de incapacidade decorrente do tempo do serviço prestado, e é isso que justifica o tempo reduzido para a inativação”, ressaltou.

 

 

Outro ponto assinalado pelo relator é que, para a obtenção do benefício, não é necessária a realização de perícia ou a demonstração efetiva de incapacidade para o trabalho, bastando apenas a comprovação do tempo de serviço e da exposição aos agentes danosos.

 

Segundo Dias Toffoli, o sistema previdenciário existe para servir à sociedade, e não a situações peculiares. “Permitir que o beneficiário de uma aposentadoria programável tenha liberdade plena para exercer o trabalho, sem prejuízo do benefício, implica privilegiá-lo em detrimento de uma pessoa desempregada que ambiciona uma vaga no mercado de trabalho”, afirmou.

 

Livre exercício

 

O recurso foi interposto pelo INSS contra decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que garantiu a manutenção da aposentadoria a uma auxiliar de enfermagem que continuou a trabalhar em atividade especial. Para o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), a proibição prevista na lei impede o livre exercício do trabalho e, demonstrado o tempo de serviço especial por 25 anos, conforme a atividade exercida, e a carência mínima, é devida à trabalhadora a aposentadoria especial.

 

Divergência

 

O ministro Edson Fachin, não concorda. Para o magistrado, a proibição desproporcional para o trabalhador. Em suas palavras: “Estabelecer aos segurados que gozam de aposentadoria especial restrição similar aos que recebem aposentadoria por invalidez não encontra respaldo legal, considerada a diferença entre as duas modalidades de benefício, além de representar grave ofensa à dignidade humana e ao direito ao trabalho dos segurados”, afirmou. Também não concordaram com o relator, os ministros Marco Aurélio e Celso de Mello e a ministra Rosa Weber.

 

Com essa decisão, o Tribunal firmou a seguinte tese:

 

1) “É constitucional a vedação de continuidade da percepção de aposentadoria especial se o beneficiário permanece laborando em atividade especial ou a ela retorna, seja essa atividade especial aquela que ensejou a aposentação precoce ou não”.

 

2) “Nas hipóteses em que o segurado solicitar a aposentadoria e continuar a exercer o labor especial, a data de início do benefício será a data de entrada do requerimento, remontando a esse marco, inclusive, os efeitos financeiros. Efetivada, contudo, seja na via administrativa, seja na judicial a implantação do benefício, uma vez verificado o retorno ao labor nocivo ou sua continuidade, cessará o benefício previdenciário em questão”.

DADOS DO PROCESSO: Recurso Extraordinário (RE 791961), com repercussão geral (Tema 709)....

Comentários

Postar um comentário

RECEBA NOSSAS PUBLICAÇÕES

INSIRA SEU EMAIL: