Pular para o conteúdo principal

REAPOSENTAÇÃO PODE AUMENTAR A APOSENTADORIA (INSS) EM ATÉ 70%

EMENTA Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2° do art. 18 da Lei 8.213/91. Desaposentação. Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção de benefício mais vantajoso.


FUNDAMENTAÇÃO INDIVIDUALIZADA DO ENTENDIMENTO DO JUIZ FEDERAL SUBSTITUTO VICTOR ROBERTO CORRÊA DE SOUZA, SOBRE A REAPOSENTAÇÃO (BENEFICIO MAIS VANTAJOSO)


11° Juizado Especial Federal do Rio de Janeiro
PROCESSO nº 0034309-92.2018.4.02.5151 (2018.51.51.034309-2)


SENTENÇA
Dispensado o relatório, por força do art. 38 da Lei n° 9.099/95.

Diante da renda mensal comprovada no documento de fl. 48, que é superior ao limite mensal de isenção do Imposto de Renda Pessoa Física, entendo que a parte autora não logrou comprovar que o pagamento das custas e despesas processuais poderá comprometer sua subsistência e a de sua família, de modo que indefiro o pedido de gratuidade de justiça, revogando eventuais decisões anteriores em sentido contrário.

Trata-se de demanda em que a parte autora pretende a condenação do INSS à sua reaposentação.

Fundamento e decido.

O STF, ao julgar simultaneamente os Recursos extraordinários RE's 381.367, 661.256 e 827.833, vedou a possibilidade da desaposentação, na via judicial, nos seguintes termos, em ACÓRDÃO da lavra do Ministro Dias Toffoli:

EMENTA Constitucional. Previdenciário. Parágrafo 2° do art. 18 da Lei 8.213/91. Desaposentação. Renúncia a anterior benefício de aposentadoria. Utilização do tempo de serviço/contribuição que fundamentou a prestação previdenciária originária. Obtenção de benefício mais vantajoso.


Julgamento em conjunto do RE n° 661.256/SC (em que reconhecida a repercussão geral) e RE n° 827.833/SC. Recursos extraordinários providos.

AcesseCURSO – A NOVA PREVIDÊNCIA - Com Juiz Victor Souza, da Justiça Federal do Rio de Janeiro - Domine todas as alterações, regras de transição, cálculos e descubra as oportunidades que surgirão nos próximos meses.

1. Nos RE n°s 661.256 e 827.833, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso, interpostos pelo INSS e pela União, pugna-se pela reforma dos julgados dos Tribunais de origem, que reconheceram o direito de segurados à renúncia à aposentadoria, para, aproveitando-se das contribuições vertidas após a concessão desse benefício pelo RGPS, obter junto ao INSS regime de benefício posterior, mais vantajoso.

2. A Constituição de 1988 desenhou um sistema previdenciário de teor solidário e distributivo, inexistindo inconstitucionalidade na aludida norma do art. 18, § 2°, da Lei n° 8.213/91, a qual veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso, exceto salário-família e reabilitação profissional.

3. Fixada a seguinte tese de repercussão geral no RE n° 661.256/SC: “no âmbito do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à 'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2°, da Lei n° 8213/91”.

4. Providos ambos os recursos extraordinários (RE n°s 661.256/SC e 827.833/SC).

O artigo 18, § 2° da lei 8.213/91 assim dispõe:

"[...] § 2° O aposentado pelo Regime Geral de Previdência Social-RGPS que permanecer em atividade sujeita a este Regime, ou a ele retornar, não fará jus a prestação alguma da Previdência Social em decorrência do exercício dessa atividade, exceto ao salário-família e à reabilitação profissional, quando empregado."

Como bem ressaltou o relator para o acórdão do recurso extraordinário com repercussão geral, esse dispositivo “veda aos aposentados que permaneçam em atividade, ou a essa retornem, o recebimento de qualquer prestação adicional em razão disso.”

Fixou-se a seguinte tese, portanto:

"no âmbito do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), somente lei pode criar benefícios e vantagens previdenciárias, não havendo, por ora, previsão legal do direito à 'desaposentação', sendo constitucional a regra do art. 18, § 2°, da Lei n° 8213/91".

Ou seja, vedada está a desaposentação judicial. Nada se tratou a respeito da reaposentação, não havendo entendimento vinculante a respeito desta. Esse recurso ainda não transitou em julgado, havendo embargos de declaração pendentes de análise.

Todavia, fato é que é vedada qualquer prestação adicional, em decorrência da continuação em atividade do trabalhador aposentado; salvo se o tema da desaposentação vier a ser, algum dia, regulamentado em lei.

No entanto, a constitucionalidade do § 2° do art. 18 da Lei n° 8.213/91, reconhecida pelo STF, não impede a troca de um benefício por outro no mesmo RGPS, sem a utilização do tempo de contribuição que embasava o benefício originário, como ocorre nos pedidos de reaposentação, pois nesses casos não há uma revisão da aposentadoria anteriormente concedida, não há uma prestação adicional a uma aposentadoria já existente. Há apenas a troca por uma aposentadoria nova, com o cumprimento de novos requisitos, computados integral e posteriormente à primeira.

Ou seja, não se trata de desaposentação, para a qual se utilizam os salários de contribuição da aposentadoria inicial, juntamente com os salários posteriores à aposentadoria.

Assim, se o benefício anterior foi recebido de forma lícita e tendo o segurado usufruído das prestações da aposentadoria como era seu direito, a partir do atendimento dos requisitos legais, em especial a vinculação e contribuição ao RGPS, não está sequer sujeito à devolução ou repetição dos valores de sua aposentadoria, com a eventual troca por uma nova aposentadoria.

O trabalhador aposentado, pugnando pela troca de sua aposentadoria, obviamente, não poderá acumular os dois benefícios de aposentadoria, à luz do que dispõe o art. 124, II, da Lei 8.213/91.

Em síntese, ao trabalhador que, aposentado, retorna à atividade cabe o pagamento de sua contribuição previdenciária, devendo-se a ele, em contrapartida, os benefícios próprios, mais precisamente a consideração das novas contribuições para, voltando ao ócio com dignidade, calcular-se, ante as novas contribuições e presentes os requisitos legais, o valor a que tem jus para a troca por uma nova aposentadoria.

João Batista Lazzari e Carlos Alberto Pereira de Castro, em seu Manual de Direito Previdenciário, tratam o tema como reaposentação com base em novo implemento de requisitos, nos seguintes termos:

“Não é incomum o segurado continuar trabalhando após a aposentadoria e contribuir por mais quinze anos e, com isso, completar novo período de carência após o jubilamento. Por exemplo, o segurado obteve aposentadoria por tempo de serviço/contribuição com 50 anos de idade e continuou contribuindo. Ao completar os 65 anos de idade terá preenchido os requisitos para a concessão da aposentadoria por idade. Nesta hipótese, entendemos cabível a renúncia da aposentadoria recebida pelo segurado com intuito de obter uma nova prestação mais vantajosa, tendo em vista a vedação à acumulação dos dois benefícios. Defendemos também a desnecessidade de devolução dos proventos recebidos, pois o segurado não irá utilizar o tempo de contribuição e a carência do benefício anterior.”
(CASTRO; LAZZARI. Manual de Direito Previdenciário, 19 a Ed. Rio de Janeiro: Forense, 2016, p. 698-699). grifamos

Portanto, é juridicamente possível o pedido da parte autora, de troca de sua aposentadoria (reaposentação), se detectada que a segunda aposentadoria seria mais vantajosa.

CASO CONCRETO
A parte autora obteve a concessão de aposentadoria por tempo de contribuição por meio do NB 1068322710, com DIB em 27/08/98, conforme documento de fl. 12.

Os vínculos e remunerações descritos no CNIS de fls. 40/50, demonstram que a autora trabalhou para a empresa COMLURB de 13/08/1976 a 07/2017.

Dessa forma, computando-se os lapsos laborados a partir da concessão da aposentadoria por tempo de contribuição de n. 1068322710 (28/08/1998 a 31/07/2017), verifica-se que a autora possui 228 meses de carência, suficientes para a concessão de nova aposentadoria, por idade, a partir da data da citação (28/03/2018, fl. 23), com o consequente cancelamento da aposentadoria por tempo de contribuição em 27/03/2018 (DCB), caso a aposentadoria por idade se revele mais vantajosa.

DISPOSITIVO
Ante o exposto, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO, na forma do artigo 487, inciso I do CPC, condenando o INSS a cancelar a aposentaria por tempo de contribuição de NB 1068322710, com DIB em 27/08/98 e DCB em 27/03/2018, e conceder a parte autora a aposentadoria por idade a partir da data da citação (28/03/2018, fl. 23), caso o segundo benefício se revele mais vantajoso; bem como a pagar os atrasados desde 28/03/2018 até a DIP, descontando-se os valores recebidos em virtude da primeira aposentadoria, entre a data da citação e a efetiva implantação, nos termos da fundamentação.

Rio de Janeiro, 26 de abril de 2018.

VICTOR ROBERTO CORRÊA DE SOUZA (Juiz Federal Substituto)
Fonte: PROCESSO nº 0034309-92.2018.4.02.5151

Comentários

  1. Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Olá Guimarães! Nós que agradecemos por sua participação!

      Excluir
  2. Na reaposentação é necessário primeiro entrar com pedido administrativo no INSS para ter a negativa?

    ResponderExcluir
  3. Boa noite, Dr Valter, meu nome é Waldemar moro em Sarandi PR,pfv eu preciso de uma acontage sua,eu trabalhei na roça na lavoura 22 anos e 12 anos carteira assinada eu gostaria de saber se eu tenho chance de aposentar minha idade de 61 anos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ACERVO DE RECURSOS E DEFESAS DE TRÂNSITO

Trata-se de um ACERVO DE RECURSOS já utilizados em casos reais, em que obtivemos sucesso para nossos clientes. O ACERVO DE RECURSOS E DEFESAS DE TRÂNSITO, é destinado a todos os motoristas e advogados atuante nessa promissora área.  Os recursos foram elaborados de forma técnica, com os corretos embasamentos jurídicos. 




São MODELOS de defesas de MULTAS DE TRÂNSITO, processo de SUSPENSÃO do direito de dirigir e CASSAÇÃO DA CNH, para todas as INSTÂNCIAS. E, já vêm com um misto de doutrina e jurisprudência. 

ACERVO DE RECURSOS é atualizado constantemente, pelos nossos especialistas em trânsito. Estes preciosos modelos, propiciam grande possibilidade de êxito, pois já foram utilizados em casos reais. 

Efetue a compra e nos envie o comprovante, para liberarmos o seu acesso imediatamente ao ACERVO DE RECURSOS e DEFESAS DE TRÂNSITO

Você acessará o material por meio de um link que será lhe enviado, logo após a compra. Após isto, você encontrará os MODELOS DE RECURSOS/DEFESAS, basta escolher …

DECISÃO: Justiça reconhece mais essa função para fins de APOSENTADORIA ESPECIAL

Por unanimidade, a 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) manteve a sentença do Juízo Federal da 14ª Vara da Seção Judiciária de Minas Gerais que determinou que Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) considere como especial o tempo de serviço prestado por um operador de caldeira que, somado aos períodos de atividade comum, possibilitam a concessão da aposentadoria por tempo de contribuição, desde a data da citação.
O INSS recorreu ao Tribunal requerendo a reforma da sentença e que fosse julgado improcedente o pedido autoral. Já o beneficiário interpôs recurso adesivo objetivando a retroatividade do benefício à data do requerimento administrativo.
O relator, desembargador federal Jamil Rosa de Jesus Oliveira, ao analisar o caso destacou que a atividade de operador de caldeira deve ser considerada especial, mediante o enquadramento por categoria profissional, cuja sujeição a agentes nocivos é presumida, de acordo com o Decreto nº 53.831/64.



Segundo o magistrado, “o p…

Veja como habilitar a sua Carteira de Trabalho digital pelo CPF

Com a publicação da  Lei da Liberdade Econômica, sancionada em 20 de setembro de 2019, entra em vigor a Carteira de Trabalho Digital.
Para acessar o documento, basta baixar gratuitamente o aplicativo na loja virtual (Apple Store da Apple e no Play Store do Android). Ou acessar via Web, por meio do link https://servicos.mte.gov.br/
- Obs. Abaixo tem um Passo a passo para instalação
A Carteira de Trabalho Digital é um aplicativo que tem como finalidade principal dar ao cidadão uma ferramenta digital para acompanhar de modo facilitado a sua vida laboral, tendo acesso a dados pessoais e aos seus contratos de trabalho que estão registrados na Carteira de Trabalho e Previdência Social.
A emissão da Carteira Digital, encontra-se disciplinada na Portaria nº 1.065, da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, a qual disciplina a emissão da Carteira de Trabalho e Previdência Social em meio eletrônico - Carteira de Trabalho Digital.
→ Acesse a PORTARIA Nº 1.065; → Para p…